Deputado federal Marcos Montes (MG) integra a comissão especial do impeachment aprovada dia 17/03 na Câmara, com o objetivo de analisar e dar parecer no pedido de impedimento da presidente Dilma Rousseff (PT).
Ele foi indicado titular da comissão especial pela liderança do PSD.

Vale lembrar que tanto ele, em particular, quanto a Frente Parlamentar Mista da Agropecuária (FPA), que ele preside, já manifestaram apoio ao impeachment da presidente da República.

Além de Marcos Montes, foram indicados titulares pelo PSD o líder Rogério Rosso (DF) – que foi eleito presidente e se licenciou da liderança para se dedicar à comissão; , Júlio César (PI) e Paulo Magalhães (BA).
Os deputados Irajá Abreu (TO), Goulart (SP), Evandro Roman (PR) e Fernando Torres (BA) serão membros suplentes.
Marcos Montes é deputado majoritário em 14 cidades, inclusive em Uberaba, sua principal base política, onde foi prefeito em duas gestões e é fundador e presidente do PSD.

Na formação da comissão do impeachment anterior eu optei por não fazer parte do grupo especial em respeito à minha posição de presidente da FPA, já que a entidade suprapartidária não tinha uma opinião oficial sobre o assunto”, diz Marcos Montes.

Desta vez, entretanto, segundo ele, aceitou a incumbência levando em conta que, em reunião extraordinária realizada dia 16/03, a FPA aprovou o apoio ao impeachment da presidente da República.

O PEDIDO

O pedido de impeachment a ser analisado pela comissão especial foi apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, que acusam a presidente de ter cometido crime de responsabilidade.

De acordo com eles, ao longo de 2014 e 2015, a presidente autorizou a abertura de créditos orçamentários, ampliando os gastos públicos, incompatíveis com a obtenção da meta de resultado primário prevista nas leis de diretrizes orçamentárias.

A comissão especial dará um prazo de dez sessões para que a presidente da República se defenda.

Fotos (de Cláudio Basílio/Liderança PSD na Câmara) flagram Marcos Montes votando a favor da criação da comissão do impeachment

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here