// Palavra do Deputado

04/08/2018

A cada crise, a democracia brasileira dá demonstrações de que está preparada para o que der e vier

Democracia - Em que pese um ou outro grupo pregar o descrédito na democracia brasileira, as nossas instituições estão funcionando muito bem, com independência, e de acordo com os preceitos republicanos mais comprometidos com o estado de direito.  

Crise política - É claro que lamento profundamente que o Brasil esteja sofrendo com uma crise política sem precedentes, envolvendo até mesmo a prisão de um ex-presidente da República.

Apesar dos pesares - Mas isso não impede o reconhecimento de que, a cada crise, a democracia brasileira dá novas demonstrações de que, apesar de jovem, está consolidada e preparada para o que der e vier. 
Sem retrocesso - Imprensa, poderes Judiciário, Legislativo e Executivo, Ministério Público, Polícia Federal, entre outras instituições, estão aí, atuando de acordo com o que se espera de uma Nação democrática. Todos seguem em frente, e nenhum retrocesso há de acontecer. 
Desespero - Alguns setores ou grupos específicos desgostam dessa situação. E não é pra menos. A democracia consolidada, o estado de direito, a independência das instituições,  provocam o desespero destes segmentos quando eles percebem que não estão acima do bem e do mal, do céu e da terra, da lei e de Deus.

Intolerância - O desespero ficou explicitado, por exemplo, ao longo dos últimos dias, em meio à repercussão dos fatos relacionados à decretação da prisão do ex-presidente da República. Jornalistas foram vítimas de agressão e hostilização, e até um apartamento da presidente do Supremo Tribunal Federal, em Belo Horizonte, foi alvo de vandalismo.

As pedras - Nenhuma democracia está livre de que surjam pedras no meio do caminho - o que é natural em qualquer lugar do mundo.  O importante, porém, é que as pedras não impedem o funcionamento das nossas instituições. Elas não impedem que a maioria da população brasileira seja de gente honesta, trabalhadora, solidária, defensora da ordem pública e comprometida com os sagrados pilares da democracia.

Paz – E por falar em tempos conturbados - marcados por intransigências, ataques gratuitos, ofensas pessoais, violência -, usei a tribuna da Câmara dos Deputados para homenagear um dos maiores pacifistas que o mundo contemporâneo conheceu: o médium Chico Xavier.

Homenagem - Dia 2 de abril lembrei o aniversário de 108 anos do saudoso líder espírita, aproveitando para convidar os colegas parlamentares para refletirmos sobre o que podemos fazer para pregar a PAZ - defendida por Chico Xavier durante toda sua vida.

Uberaba - Durante minhas duas gestões de prefeito de Uberaba tive a honra e o orgulho de conviver com uberabenses da mais alta qualidade – fossem eles, nascidos ou não em Uberaba. E, com certeza, uma destas pessoas foi o líder espírita Chico Xavier. Era um bom ouvinte, um bom conselheiro, um ser de luz e de paz, e conversar com ele era sempre um ensinamento. 

Em comum - Independentemente da idade com que chegamos a Uberaba e da religião de cada um – ele adulto (espírita), e eu, criança (católico) - Chico Xavier e eu tínhamos em comum o amor por esta cidade tão abençoada, e a certeza de que só a convivência civilizada e o respeito às diferenças podem promover um mundo melhor para todos.

Um grande abraço.

*Marcos Montes é deputado federal majoritário em Uberaba, no Triângulo Mineiro e em várias cidades de outras regiões do Estado. É médico, está no terceiro mandato na Câmara. É membro e ex-presidente (2015/2016) da Frente Parlamentar Mista da Agropecuária (FPA). É vice-líder da bancada do PSD – a quinta maior na Câmara, fundador e presidente do partido em Uberaba, onde foi prefeito em duas gestões. Foi secretário de Estado de Desenvolvimento Social e de Esportes em Minas Gerais

REGISTROS  - A foto registra uma das visitas feitas à residência do médium Chico Xavier pelo então prefeito de Uberaba, Marcos Montes, e pertence ao acervo da ex-primeira-dama Marília Andrade Montes...